segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Estéticas da suspeita



Recentemente, na entrada de um centro empresarial do Rio de Janeiro, fui surpreendida pelo procedimento de segurança do local, que além das habituais checagens de documentos e fotografias dos rostos dos clientes, expunha tais fotos num monitor situado logo após as roletas eletrônicas. A sensação imediata é a de estar vendo retratos de procurados ou de desaparecidos, o que confere ao lugar uma atmosfera policial. Os sistemas de segurança e vigilância que investem em práticas de suspeição generalizada criam também as suas estéticas da suspeita.

2 comentários:

Marcelo disse...

Sensacional! Qual é o critério para mostrar os rostos? São os últimos cadastrados?

Ah...acho que esses comentários aí são spam...

Fernanda Bruno disse...

Sim, o critério é a ordem do cadastro e/ou da entrada - os últimos são mostrados. A sua imagem, claro, fica arquivada e quando vc volta ao local é exibida novamente. Esse lugar é surreal; detestável ;-)
sim, são spams, fiquei com preguiça de apagar mas agora foi.
beijos