sábado, 29 de setembro de 2007

Estéticas do Arquivo

Esse post também vem do Rhizome, que apresenta uma interessante exposição sobre questões de arquivo. Open Archive #1 inclui performances, apresentações, conferências etc. Uma das mesas - VideoVortex: responses to YouTube - é, como o nome anuncia, dedicada ao YouTube e conta com a participação de Lev Manovich, Johan Grimonprez, Adrian Miles, entre outros, além de exibir uma seleção de videos da Internet montada pelos convidados do evento. Trecho sobre esta mesa:

"Over the past years the moving image has claimed an increasingly prominent place on the internet. Thanks to a wide range of technologies and web applications it has become possible, not only to record and distribute video, but to edit and remix it on-line as well. With this world of possibilities within reach of a multitude of social actors, the potential of video as a personal means of expression has arrived at a totally new dimension. How is this potential being used? How do artists and activists react to the popularity of YouTube and other ‘user-generated-content’ websites? What is the impact of the availability of massive on-line images and sound databases on aesthetics and narrativity? How is Cinema, as an art form and experience, influenced by the development of widely spreading internet practices? What does YouTube tell us about the state of art in visual culture? And how does the participation culture of video-sharing and vlogging reach some degree of autonomy and diversity, escaping the laws of the mass media and the strong grip of media conglomerates? This Video Vortex conference is the first in a series of international events, aimed at critical research and reflection surrounding the production and distribution of on-line video content, at the instigation of the Institute of Network Cultures (INC)."

Arte e exibicionismo

O exibicionismo midiático contemporâneo é o tema de Showing, exposição organizada por Jordan Crandall no TELIC Arts Exchange em Los Angeles. Resenha do Rhizome abaixo e detalhes da programação aqui.

"Exhibitionism as the fuel of contemporary media culture forms the basis of Showing, an exhibition at TELIC Arts Exchange in Los Angeles. Rather than a show of stand-alone work, artist and theorist Jordan Crandall has converted the space into a platform for several evening-long series of screenings, performances, and other events that articulate how the affective exchanges of blogs, webcams, online social networking, and lifecasting have done nothing less than change the foundation of subjectivity. On September 29th, Glenn Phillips and Catherine Taft present 'Watch Me Get Watched,' which begins with a curated look at voyeurism in the history of video with screenings of work by Bianca D'Amico, Micol Hebron, Sterling Ruby, and Kirsten Stoltman, among other artists who have taken up the act of watching in their work. It is followed by a performance work by Nao Bustamante and a presentation of web-based projects by Gary Dauphin. Other events include a screening program titled 'On the History of Attractions' on October 5, another organized by media scholar Scott Bukatman focusing on the cult of the amateur on October 9, a Web cam workshop on the 12th, a lifecasting presentation on the 13th, and several additions to be announced through October 20. As a whole, the exhibition subordinates traditional concerns of media theory--perception, spectatorship, power--to the primacy of the pose, or in the words of the organizer, it responds to a "culture [that] would seem to be less a representational than a presentational one."

Testemunho satélite

Imagens de satélite de alta resolução testemunham conflito na Birmânia e são usadas para documentar os abusos do poder militar. As imagens mostram cidades desocupadas e queimadas pelos militares. A matéria é do Threat Level.

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Segredo e Vigilância

Mais um filme usando câmeras de vigilância. "Look", filme de Adam Rifkin, utiliza câmeras de vigilância em ficção que tematiza o que as pessoas fazem quando pensam não estarem sendo olhadas num contexto de onipresença de olhos eletrônicos vigilantes. No site do filme há "cenas reais" flagradas por câmeras de vigilância e uma "chamada" para postar e partilhar esse gênero de videovigilância.

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Baixo Orçamento e CCTV

O we make money not art relata a apresentação de um dos integrantes do MediaShed no Goodbye Privacy Symposium (Ars Eletronica 2007), explorando estratégias de reação à vigilância e de uso "livre (free)" de materiais para criação artística e ativismo. O Mediashed é um espaço de "free-media" que desenvolve projetos com baixo ou nenhum custo usando materiais de domínio público, software livre ou material reciclado. No referido Symposium foram apresentados projetos que utilizam imagens e dispositivos de CCTV para a realização de filmes.

Arquivos de viagem

Recentemente, a revista Wired mostrou como as viagens aéreas de inúmeros indivíduos vêm sendo rastreadas pelo Departamento de Segurança Interna dos EUA, construindo bancos de dados sobre os destinos dos passageiros, seus acompanhantes de viagens, suas leituras, seus locais de hospedagem. O Freedom Of Information Act, contudo, assegura que qualquer interessado pode requerer uma cópia de seus arquivos de viagem e tomar conhecimento das informações neles contidas. Mais detalhes em post do Boing Boing.

sábado, 22 de setembro de 2007

Colonização da intimidade e perfis informacionais

No networked performance, entrevista com o artista francês Cristophe Bruno sobre privatização da olhadela (glance), colonização da intimidade e perfis informacionais. Seguem alguns extratos abaixo:

"ECO: What do you mean with “privatization of the glance”?
CB: The idea of “privatization of the glance” comes from a general tendancy that can be perceived in the transition from market capitalism to network capitalism. At first, there is a postmodernist “dematerialization” phase, which unveils the emergence of libertarian ideals of sharing and freedom but ends up with commodification of the ultimate “atoms” of human relations ; this is what happenened in the realm of language with The Google Adwords Happening. The post-fordist ideas that are at play in the economic dynamics of global structures like Google show the rise of 2.0 markets for these networked commodities involving “long tails” phenomenons (the Adwords/Adsense system for instance). According to contemporary graph theory (cf Barabasi: Linked), the “long tail” (or web 2.0 or “aristocratic network”) phenomenon is the mode according to which globalization is achieved in a closed unregulated networked ecosystem ; by definition it is an extension of the concept of the fordist object to the globality and variety of the human desires.

The new stake of capitalism is the control of these “global objects” through what I called “colonization of intimacy”: for instance when they bought Blogger, Google took a strong position towards the control of Language as a global 2.0 object, because they took hold of the gold mine of mankind’s intimacy.


ECO: What do you think about the “informatic profile” of every web citizen? In a way it depends on the pattern recognition algoritm that is used….Does it means my pubblic web image depends on values decided by ….Google?
CB: Sure but behind this question lies another one which is more tricky. It is definitely a problem that a private company may tune their algorithm so that the image of an individual would in a way reflect more the criteria of the company than the identity of the individual… By the way this is a very general and universal property of the concept of “image”, that computer science will not be able to solve; there is no objectivity here but instead an interplay between subjectivities (the subjectivity of those who wrote the program in that case).

What these companies want when they use pattern recognition to decide for instance if they are going to grant you a loan, is to have the most reliable universal method to predict your behaviour and evaluate their risk. Because there is no such universal theory, they have to use modelizations which depend on some arbitrary considerations and parameters and hence they have to make arbitrary choices. Now a problem arises when the method used is falsely claimed to be indeed universal and true. This is what is actually happening nowadays with the current expansion of technologies of control and there is a great danger that we are lead to a totalitarian mechanism.

But there is also a paradox. At some point, companies have in fact no interest in cheating and pretending they have a universal scientific method. This attitude is actually a modernist attitude which has been outdated by postmodernity. Any company that would do that takes the risk of being sooner or later suspected and despised. Moreover by imposing a normativity they lose track of what lies ouside the norm. Since what lies ouside the norm may become the seed of the markets of the future, this may reveal to be a self-contradictory strategy. In a 2.0 globalized world, if they put barriers to freedom, they are just unable to optimize the whole process because they lose data!

This is exactely what a company like Google understood. Google has a VERY long term stategy. They keep promoting freedom of speech and avoid any normative positioning because they know that this attitude is the basis for the optimization of their adwords/adsense system which is a never ending process. This is the paradox: freedom of speech has become a tool of totalitarianism (cf Benjamin text) and instead of modernist totalitarianism we are witnessing the rise of totalitarianism of the hypermodernity. This trend is a large scale trend. As the world-system reaches its EXTERNAL limitations (depletion of natural resources, expected end of low-cost labour, the end of the ideology of liberalism, the fading of desire, etc.), capitalism tries to relaunch its machinery by pushing back its INTERNAL limits. Thus freedom of speech is revealed to be the prerequisite for the scientific colonization of intimacy as well as collective hallucination is the prerequisite for the privatization if the glance. [posted by Luca on EcoPolis]"

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Infância e Reality Show

"Qu'est-ce que modélise la télé-réalité? Du pouvoir sur des corps, je l'ai dit. La disposition du corps de l'autre, à entendre à la fois comme mise en posision et mise à disposition. La télevision m'apprend qu'elle dispose des corps et que, spectateur pris dans l'orbite de son pouvoir, j'en dispose à travers elle moi aussi." (Jean-Louis Comolli, Voir et pouvoir)

A paixão pelo real parece mesmo ilimitada. A imensa "criatividade" dos reality shows já convocou políticos franceses a conviverem por dois dias com famílias francesas 'comuns' num programa intitulado 36 Horas (TF1), assim como já transformou num concurso espetacular a decisão de uma paciente terminal que deveria escolher um entre três "pacientes-candidatos a transplante" para receber seus rins (The Big Donor Show/BNN). Apenas dois exemplos de uma lista crescente. Essa semana, estreou na CBS o Kid Nation, um reality show em que 40 crianças são confinadas, sem os pais, numa cidade-fantasma no Novo México e devem aprender a "se virar sozinhas" e a construir uma "nova sociedade". Entre as regras do jogo, há a recompensa pelo trabalho, o qual é avaliado pelo conselho da cidade, constituído por 4 crianças pré-selecionadas, que devem dar como prêmio estrelas no valor de 20 mil dólares e o direito a uma ligação telefônica para casa. Para mais detalhes dessa experiência de capitalização de vidas infantis em que espetacularização e perversão andam juntas, matéria do The New York Times reproduzida pelo Último Segundo e vídeo promocional do Kid Nation no YouTube.

quarta-feira, 19 de setembro de 2007

Corrida da vigilância

Matéria da BBC News mostra como o Reino Unido e os Estados Unidos avançam na corrida pelo desenvolvimento de tecnologias de vigilância cada vez mais sofisticadas. Na Inglaterra, está em curso o desenvolvimento de programas de reconhecimento facial combinados a códigos que correspondam, por exemplo, ao modo de andar de um indivíduo, permitindo que ele seja rastreado e automaticamente identificado em meio a multidões. Nos Estados Unidos, projetos de desenvolvimento de um avião-câmera, de perfis de indivíduos e sensores capazes de transmitir informações (como o batimento cardíaco e o ritmo da respiração) através de paredes pretendem ser incorporados à rotina da segurança. A matéria menciona ainda uma pesquisa que mostraria que cerca de 75% dos ingleses e americanos querem mais vigilância. Nas entrelinhas do texto e das entrevistas, se percebe como o Iraque vem servindo de laboratório para o desenvolvimento e testagem destas tecnologias.

sábado, 15 de setembro de 2007


Numa mistura exemplar de controle e felicidade tecnologicamente assistida, a Sony utiliza tecnologia de detecção facial em um novo modelo de câmera que só dispara o "clic" se o fotografado sorrir (grata mais uma vez, Cezar!). Há engenhos tão emblemáticos de seu tempo que dispensam comentários, e esse é certamente um deles, mas ainda assim aqui vão poucas e breves considerações. Limito-me ao que salta à vista nesta câmera:
- o imperativo contemporâneo da felicidade, da auto-realização e da motivação, deslocando a medida do indivíduo ideal da docilidade para a iniciativa e a performance;
- os processos de delegação às máquinas daquilo que os indivíduos com seus parcos recursos pessoais acabam por não alcançar. Como é improvável que todos sejam ininterruptamente sorridentes e motivados, as máquinas chegam para ajudar e promover a felicidade tecnologicamente assistida;
- pouco importa que o sorriso não tenha brotado espontanea e genuinamente, pois em primeiro lugar devemos parecer felizes para depois nos tornarmos felizes - é o que nos ensinam os cursos de imagem e marketing pessoal, os reality shows e agora as câmeras pró-sorriso. A autenticidade migra para a imagem, que faz do referente a sua semelhança;
- é de controle que se trata e sua face é sorridente - os relógios de ponto e o soar dos sinais das instituições disciplinares não nos deixavam esquecer do tempo e das tarefas a cumprir; as tecnologias de controle hoje não nos deixam parar de sorrir. Lá, a capitalização do tempo. Aqui, a capitalização da felicidade.

Abaixo, trecho da matéria da Reuters Brasil, com mais detalhes sobre o funcionamento da câmera:
"Com a ajuda de tecnologia de detecção facial, as câmeras digitais de 8 megapixels DSC-T70 e DSC-T200 não disparam até que a pessoa selecionada sorria.
E mesmo com algumas pessoas no mesmo quadro, o fotógrafo pode designar em qual rosto focar por meio de um painel LCD sensível a toques.
"A função de reconhecimento de sorrisos permite que você escolha uma entre até oito pessoas como sendo aquela terá o sorriso que vai disparar a câmera", explicou o responsável por desenvolvimento de produtos da Sony, Akira Tokuse.
"Em uma imagem com pais e um bebê, você pode selecionar o bebê."
A tecnologia "Diga Xis" tem três níveis de sensibilidade, do sorriso mais discreto até a mais sonora gargalhada.
As vendas das máquinas no Japão começam na próxima semana e no restante do mundo, ainda neste mês.
A tecnologia de detecção de sorriso da Sony envolve a japonesa Omron Corp, que desenvolveu o software "verificador de sorriso", capaz de identificar felicidade por sinais faciais como dobras da boca e dos olhos ou separação dos lábios".

sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Profiling - arte e vigilância

Exposição recente em Nova Iorque -Profiling (Whitney Museum) - apresenta duas instalações que deslocam com humor as práticas de classificação de pessoas através dos sistemas de vigilância, rastreamento e composição de perfis em espaços públicos.
A instalação SVEN - Surveillance Video Entertainment Network (Amy Alexander, Jesse Gilbert, Wojciech Kosma, Vincent Rabaud e Nikhil Rasiwasia) entrecruza vigilância e espetáculo, montando um sistema que rastreia e captura imagens em tempo real das pessoas no espaço e as analisa segundo categorias previstas num programa computacional cujo algoritmo deve estimar o potencial "rock star". O video da instalação pode ser visto no YouTube.

Na segunda insatalação, Taken, de David Rokeby, duas telas lado a lado provêem diferentes leituras dos movimentos dos visitantes na galeria, justaponto a história acumulada dos movimentos monitorados e um "catálogo" que classifica os rostos dos visitantes segundo diversos adjetivos, como "faminto" ou "cúmplice", anexando randomicamente tais adjetivos às imagens dos visitantes em movimento. Outros trabalhos de Rokeby sobre rastros, monitoramento, vigilância e espaços públicos, como Seen (2002) e Silicon Remembers Carbon (1993-2000) potem ser vistos em seu site.

Este post vem do Carnet de Notes e do Ecrans.

Arquivos de vigilância on-line

Esse post vem do meu "Alertas do Google", uma espécie de dispositivo de vigilância personalizado ao qual delego parte da tarefa de vigiar na rede notícias sobre vigilância. Hoje cedo recebi um "alerta" informando que um site recém-criado na Itália destina-se a ser um arquivo de imagens de vigilância que são catalogadas, classificadas e analisadas para fins de pesquisa diversos. Segundo a matéria da Agência ANSA, o Visor (Video Surveillance Online Repository), apelidado pela agência de "YouTube da segurança", permite que interessados colaborem inserindo ou visualizando vídeos de modo a construir um arquivo colaborativo para a comunidade científica pesquisar e testar sistemas de videovigilância. Visitei o site e como não fiz o download dos programas requeridos, não tive acesso a quase nada. Além de ver as próprias imagens, gostaria de saber como o site lida com as normas legais de divulgação de imagens capturadas por câmeras de vigilância e com as leis de proteção à privacidade. Trecho da referida matéria:
"O Video Surveillance Online Repository foi apresentado na Convenção da Associação Internacional para Reconhecimento de Formas (IAPR). "Visor faz parte do projeto europeu Vidivideo, que se dedica a novas técnicas para classificar os vídeos automaticamente, reconhecer similaridades entre os clipes e simplificar a busca por meio de pesquisas sobre dados visuais e de áudio", explica Rita Cucchiara, organizadora da convenção.
"Qualquer um pode carregar vídeos no portal, obviamente observando as regras de privacidade. Visor é um instrumento que recolhe imagens para a comunidade científica e serve para testar e confrontar os sistemas de vigilância em vídeo", acrescenta Rita.
Os vídeos apresentados em Visor são acompanhados de uma ficha com indicações de lugar, tipo de situação, câmera utilizada, horário e dia da filmagem. As fichas são escritas por meio de técnicas de anotação para algoritmos desenvolvidas pela universidade norte-americana de Maryland. (ANSA) "

quinta-feira, 13 de setembro de 2007

Bogard e os anéis da serpente

Artigo de William Bogard no CTheory.net (obrigada Adriana!) explora as propriedades hápticas da sociedade de controle. Bogard é autor de um bom livro sobre vigilância, no qual esta é explorada nas suas relações com a simulação. O livro chama-se The Simulation of Surveillance: Hypercontrol in Telematic Societies. New York, NY: Cambridge University Press, 1996.

domingo, 9 de setembro de 2007

FILE 2007 - São Paulo

Hoje se encerra o FILE 2007, oitava edição do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, em São Paulo, no qual apresentei o trabalho "Máquinas Identitárias: vigilância digital, bancos de dados e perfis computacionais" no File Symposium.
Além do Symposium, o Festival contou com instalações, arte-mídia, games, arte sonora, cinema, performance. Dentre as instalações, destaco especialmente o trabalho do alemão Markus Kison - Roermond-Ecke-Schönhauser (2005), em que imagens de quatro webcams espacialmente distantes e distintas (um cruzamento na Dinamarca, uma lavanderia em Amsterdâ, um pátio em Berlim e um mercado na Holanda) são projetadas com a ajuda de uma construção espelhada em quatro modelos tridimensionais desses mesmos lugares. Um trabalho delicado, que remete às lanternas mágicas do século XIX, conforme descrição do próprio autor.

Ainda na sessão de instalações, outros trabalhos cujos temas ou linguagens se articulam com a nossa pesquisa: Alter Ego, de Alexa Wright [GRB], Vacant City Ghosts, de Bjorn Wangen [SWE], The Ball in the hole, de Silvano Gallani & Eleonora Oreggia [ITA] e Dreamlines , de Leonardo Solanas [ARG].

No File Mídia Arte, que reúne mais de 200 trabalhos, listo alguns (sem nenhum critério de valor) que abordam temas privilegiados neste blog:

My Google Search History, de Albertine Meunier [FRA]

"My Google Search History is a set of movies, sounds and text inventory with all my search requests done since 2006 on Google search engine. Displayed as an inventory, my searchs show a full selfportrait. Like a big souvenir movie, this video can refresh the small things i was looking for at specific moments. Beyond this autoportrait feature, this project highlights privacy concerns on internet and more particularly privacy concerns on personal data and Google. With this video we can easily see the incredible amount of personal information Google has on ourselves. This inventory allows you to peep into my privacy as Google can".

Self-portrait, de Ethan Ham [USA]

"The photos in Self-Portrait come from a software search through the millions of photos on flickr.com. Using facial-recognition, the software seeks out photos that are likely to contain the artist Ethan Ham. Self-Portrait takes the mechanical process of photography and extends the machine's role to include editorial selection."

Public Secrets, de Erik Loyer & Sharon Daniel

"Public Secrets is a multi-vocal narrative that links individual testimony and public evidence, social theory and personal statements, in an effort to engage the public in a critical dialogue about crime and punishment and challenge the assumption that imprisonment provides a solution to social problems. A collaboration with artist/scholar Sharon Daniel."

Vanishing Point, de Mauricio Arango [COL]

"Vanishing Point is a presentation of the world as it responds to international newspaper coverage - not a measure of what the world is, but of what is most newsworthy. Consequently, countries that receive less media coverage gradually disappear from view. It consists of a projection of an interactive world map -connected to a database fed by international news sources- set against a reading area in which a daily copy of selected newspapers is displayed. At the end of every day, those newspaper copies are piled up on a shelf. After a few weeks the accumulated piles of newspapers and the projection of the resulting world map offer a poignant contrast".

Flickr Graph, de Marcos Weskamp [ARG]

"Flickr Graph is an application that explores the social relationships inside flickr.com. It makes use of the classic attraction-repulsion algorithm for graphs. Start exploring your contacts by entering your flickr username or the email address you used to register there."

sexta-feira, 7 de setembro de 2007

Sousveillance Culture

O Rhizome.org coordena, em parceria com o Conflux 2007, um painel de debates sobre Sousveillance Culture, com a participação dos artistas Amy Alexander, Jill Magid and Hasan Elahi. Extrato abaixo e mais informações no próprio Rhizome.org.

"Rhizome is organizing a panel in conjunction with Conflux, on sousveillance, the practice of watching from below (sous-) rather than above (sur-). A diverse group of artists whose work engages surveillance will explore the cultural and political implications of sousveillance, which tends to be discussed as empowering when manifest as a "taking-back" of cameras or the rising-up of "little brother," but which also unfolds in an era of increased self-surveillance, encouraged by both the government and the culture of participatory and 'transparent' media. Panelists include artists Amy Alexander, Jill. Magid and Hasan Elahi, and moderator Marisa Olson, Editor and Curator, Rhizome."

O termo "sousveillance" tem sua autoria reivindicada por Steve Mann, mas vem sendo apropriado de formas variadas por artistas, ativistas e pesquisadores. Algumas definições do próprio Mann:

"Sousveillance is a form of “reflectionism,” a term invented by Mann (1998) for a philosophy and procedures of using technology to mirror and confront bureaucratic organizations. Reflectionism holds up the mirror and asks the question: “Do you like what you see?” If you do not, then you will know that other approaches by which we integrate society and technology must be considered ... Reflectionism becomes sousveillance when it is applied to individuals using tools to observe the organizational observer. Sousveillance focuses on enhancing the ability of people to access and collect data about their surveillance and to neutralize surveillance. As a form of personal space protection, it resonates with Gary Marx’s (2003) proposal to resist surveillance through non-compliance and interference ‘moves’ that block, distort, mask, refuse, and counter-surveil the collection of information".

Ou, ainda segundo o mesmo autor:

"There are 2 main definitions, which are approximately equivalent, but each capture slightly different aspects of sousveillance:
1. Inverse surveillance: to watch from below;
2. Personal experience capture: recording of an activity by a participant in the activity. There is already a certain legal precedent for audio sousveillance, e.g. "one-party" recording of telephone conversations enjoys greater legal protection than recording by a person who is not a party to the conversation. In most states, audio surveillance is illegal, but audio sousveillance is legal".

Efeitos de intimidade e "Retrato Celular"

Nessa semana estreou Retrato Celular no canal Multishow. O programa, dirigido por Andrucha Waddington, é exclusivamente filmado com câmeras de telefones celulares por jovens que relatam com e para as suas câmeras as próprias vidas. Na Cinética, Cezar Migliorin e Ilana Feldman comentam o programa no texto Instantâneos sobre Retrato Celular.

quarta-feira, 5 de setembro de 2007


Entrevista no Écrans com Manu Luksch, diretora do longa metragem de ficção científica Faceless, realizado exclusivamente com imagens capturadas por câmeras de vigilância, no quadro do Manifesto for CCTV filmmakers. Extrato:
"FACELESS dresse un portrait d’un monde sous surveillance temporelle. L’anxiété vis-à-vis du futur et la culpabilité envers le passé cause un profond désarroi, ainsi le nouveau système temporel consiste en une présence parfaite, symbolisée par le time code non chronologique".

escrevi aqui sobre o Faceless, que está sendo apresentado no Ars Eletronica deste ano. Trecho do filme:

terça-feira, 4 de setembro de 2007

RFID e vigilância

Esse post vem do Carnet de Notes: senado da California aprova lei que proíbe o uso de etiquetas RFID (identificação por rádio frequência) em pessoas sob vigilância. Tais etiquetas, cada vez mais comuns em produtos, cartões de créditos, animais etc, permitem identificar, armazenar dados e rastrear seus "portadores" ou "hospedeiros", e vêm sendo também cogitadas como meio de monitoramento e controle de pessoas que representam algum tipo de periculosidade, como criminosos, ou que necessitam de cuidados especiais, como pacientes médicos.

segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Open-air surveillance cinema

Interessante trabalho de Michelle Terran (CA) - Friluftskino: Experiments in open-air surveillance cinema - no Urban Interface, Oslo. Vejam descrição abaixo:

Friluftskino: Experiments in open-air surveillance cinema
Every day from 13th to 20th of September at 21h.
Throughout the city of Oslo. Rain or shine. Popcorn and seating provided.

"An after effect of the consumer use of wireless surveillance technology is the production of images. These video images, incidental in nature, are easily intercepted while walking through the streets with a video scanner, creating an alternate journey into the non-places of the city created through surveillance use. Spatial boundary conventions of private and public, inside and outside are challenged by the reality of the radio transmission which moves beyond walls and onto the street. By accessing these images one is also offered a view into how the public depicts and represents itself through the use of these readily available technologies and a glimpse into the ways the city itself is redefined and restructured through migratory and economic flows and shifts.
For ‘Frilufts Kino‘, the city of Oslo will provide the source and the projection surface for an open-air cinema. Once a day, for a period of seven days, different places throughout the Oslo districts of Grønland and Grunerløkka will be used as locations for a ‘Frilufts Kino’. Using a powerful video beamer and video scanner, live surveillance intercepted from wireless CCTV cameras will be captured and then rebroadcasted upon the city walls. The live transmission will ideally last as long as a feature length film. The extended time of the intervention is intended to allow one to contemplate the live image which, contrary to being titillating and action-filled, is actually empty and still, a place of non-action. They are spaces to be filled, through subtle shifts that take place within the observed scene, or through the viewer’s own physical or imagined intervention."

Telefones celulares como instrutores comportamentais

Pesquisadores de Palo Alto desenvolvem um tipo de telefone celular que funciona como um preceptor pessoal, fornecendo a seus usuários orientações e instruções sobre a melhor forma de se comportar em situações específicas. O novo dispositivo móvel chama-se "Personal Performance Coach" e utiliza diversos sistemas de monitoramento das ações dos usuários, como GPS, microfone e monitor cardíaco para coletar dados pessoais que são enviados para uma central de análise e posteriormente reportados aos usuários através do telefone. Um dos principais objetivos do dispositivo (ainda um protótipo) é melhorar a performance profissional de indivíduos, monitorando as suas ações ao longo de entrevistas com clientes, reuniões de equipe e negociações, corrigindo o seu comportamento em tempo real ou dando um feedback posterior.
Este dispositivo ilustra muitíssimo bem o quanto a vigilância e o monitoramento contemporâneos encontram na otimização da performance um de seus alvos e justificativas privilegiados, acentuando a sua diferença frente aos dispositivos modernos que incluíam a interiorização da norma e dos valores a ela associados como condição de sua eficiência. Se o controle social moderno baseava-se na formação e prescrição de valores, focalizando os suportes de uma consciência que sustentava a ação, o controle social contemporâneo visa diretamente a própria ação, modulando o comportamento pela promessa da otimização da performance e pela exigência de melhores resultados nos diversos planos da vida profissional, pessoal, social etc.

Mais detalhes sobre o "Personal Performance Coach" no Technology Review. No mesmo site, duas outras matérias sobre coleta de dados pessoais e monitoramento do comportamento através de dispositivos móveis: Making Phones Polite e Gadgets That Know Your Next Move. Esta última menciona uma pesquisa que envolveu a coleta de dados comportamentais de telefones celulares de 100 estudantes do MIT ao longo de mais de 350.000 horas. O propósito da pesquisa era desenvolver técnicas de análises destes dados de modo a prever o comportamento diário e as filiações sociais dos estudantes a partir de um conjunto limitado de dados iniciais. Os resultados da pesquisa "demonstraram", por exemplo, que a partir de dados sobre as atividades e localização de um estudante no período da manhã, era possível prever com 79% de acuidade as suas próximas atividades e trajetos ao longo do dia.

domingo, 2 de setembro de 2007

Mecanismos de busca e Vigilância

Venho apresentando e discutindo em artigos e neste blog as relações entre os mecanismos de busca (Google, Ask, Yahoo etc) e a vigilância digital. Vejam mais uma matéria da BBC sobre o tema, retomando o lapso da AOL (que publicou na Internet o histórico de buscas de milhares de usuários ao longo de três meses) e os procedimentos usuais de outros motores de busca, como o Google. Vale lembrar que os questionamentos recentes em nome da proteção da privacidade dos usuários destes serviços levou a alterações de algumas de suas práticas, como a redução do tempo de arquivamento do histórico de busca dos seus usuários. Mais informações sobre este último ponto em outro post.