sábado, 24 de março de 2007

No início era o Olho

Nesse primeiro post, uma das mais importantes representações pictóricas de Deus como um grande olho onisciente e onipresente – Os sete pecados capitais, de Hieronymus Bosch. Eis uma das primeiras visões da vigilância – o Olho de Deus ou Deus como Olho -, que também encontramos em cúpulas de igrejas católicas, como a da belíssima Catedral de Santiago de Compostela.
Hieronymus Bosch - Os Sete pecados capitais, 1480, óleo sobre madeira (mesa), 120 x 150 cm. Museu do Prado – Espanha: http://museoprado.mcu.es

Nesse blog ainda em construção, mas já no ar, disponibilizaremos em breve dados da pesquisa, informações, imagens, textos e tudo o mais que interessar à reflexão sobre “Visibilidade, vigilância e subjetividade nas novas tecnologias de informação e de comunicação”, projeto em andamento.

2 comentários:

Paola Barreto disse...

gostei disto - deus como olho.

Fernanda Bruno disse...

Sim, o "Olho Primeiro",e essa representação é incrível.